sábado, 20 de março de 2010

Sobre gente boba e uma blogueira furiosa

Eu já havia dado cabo quase oficial dos meus dias de blogueira, mas depois de um fato que me ocorreu ontem, eu tive que postar. Acontece que ontem recebemos uma visita, lá onde eu trabalho, de uma ex-colega que foi demitida há algum tempo, e que sabidamente é obcecada pelo companheiro, que por sinal também trabalha lá. Entre uma e outra asneira que ela falava, ela me perguntou se eu estava namorando; eu disse que não; então ela prontamente ficou com dó e me chamou de 'coitada'(puta erro da parte dela, rá!). Não preciso nem dizer o quanto fiquei furiosa, e o tamanho da minha vergonha alheia. Mas não me propus a rebater, afinal eu estava diante do que seria uma pessoa cuja mente parou de se desenvolver aos doze anos de idade. O que me preocupou foi o fato de várias pessoas, não só mulheres, compartilharem dessa premissa de que só será feliz quem estiver em um relacionamento amoroso, o que leva à concluir que só existe felicidade, coisas bacanas e interessantes em outrem, não em si.

Triste e medíocre, mas esse delírio coletivo até ajuda a entender porque os relacionamentos hoje em dia andam tão banais, tão efêmeros. As pessoas estão se esforçando não em cultivar um relacionamento digno e bacana, mas basicamente em fazer os outros acreditarem nisso, como se ser feliz e notório se resumisse a fazer parte de um casal, a despeito dos reais motivos e condições por trás dessa imagem.

Talvez a minha auto-estima seja um exagero diante da média e seja fácil me sentir segura e confortável à parte de um relacionamento. Mas até para mulheres-anta e pessoas bobas em geral é possível, mesmo com a mídia vendendo a todo momento ideiais feministas e um tanto maniqueístas de que nascemos pura e simplesmente para encontrar um amor eterno e que essa é a condição absoluta e inquestionável para se alcançar felicidade, bem-estar e crescimento pessoal. Ignorar esse modelo e priorizar coisas diferentes, como por exemplo a si mesmo, é a grande jogada. Amor-próprio, apesar de ser um tema batido, ainda é um grave problema pra muita gente, que tem dificuldade em valorizar os próprios interesses e conquistas. Mas como há solução pra tudo, quem sabe ainda dá pra curar um pouco dessa doença e resgatar alguns dos valores que foram se perdendo com o tempo, mas que nunca deixaram de ser válidos.

6 comentários:

Tayná disse...

Falou td menina!!
Sou solteira convicta tb!!

Art =] disse...

ser solteiro não é algo ruim
e sim um estilo de vida (h)
hahah ^^

TV AnimeMania Esporte Clube disse...

mt bom...:D

Equipe AM.E.C
http://amesporteclube.blogspot.com/

Thiago Batticelli disse...

Concordo plenamente contigo em genero, numero e grau.. Là no meu blog também falo dessa coisa de ser feliz sozinho..não precisamos de ninguém para conquistar nossa felicidade, temos de estar bem conosco antes de tudo!!

Talles Azigon disse...

pois que não existe exagero no amor propio, só vejo exagero quando não amamos a si proprio

Doppel'. disse...

"afinal eu estava diante do que seria uma pessoa cuja mente parou de se desenvolver aos doze anos de idade"

Haha boa :D

---
Oque esta acontecendo na casa do Pedrinho?

www.olinkdoblog.blogspot.com